Tecnologias de reconhecimento facial vem mudando práticas no setor de segurança no Brasil

Como as tecnologias de reconhecimento facial vem mudando práticas no setor de segurança no Brasil

A News ISC Brasil separou as principais situações no âmbito tecnológico a respeito do reconhecimento facial no mercado de segurança. O conceito reverbera tanto no Brasil, como na China e na Califórnia, que já utilizam da aplicação para combater crimes, por exemplo. Leia o conteúdo abaixo e saiba mais!

As tecnologias ultimamente são os princípios de maior amplitude quando diz respeito à segurança. Seja ela digital, pública, eletrônica ou privada, o conjunto de técnicas neste domínio vem estabelecendo um novo formato em sociedade, sendo este, a maior evolução em mais da metade do Brasil. Um dos principais pontos que vem levantado especulações e reformulado a prática de instrumentos em diversos setores são as tecnologias de reconhecimento facial.

O tema vem suscitando intensas polêmicas, como o fato de retratar as formas de controle em políticas públicas, por exemplo. No entanto, até mesmo organizações da sociedade civil, como a Microsoft, já defenderam a regulação dessa prática.

Primeiros projetos com as tecnologias de reconhecimento facial

Neste sentido, os primeiros projetos foram fundamentalmente na área de transporte, que inseriu o reconhecimento como condição para o acesso a serviços. O setor, por sua vez, foi responsável por 21 projetos mapeados pelos estudos.

As referências são até então fundamentais para aplicações na segurança pública, principalmente ao que diz respeito à acesso a locais e monitoramento por meio de câmeras. Dentre estes, outras 13 iniciativas são identificadas com a mesma finalidade.

Ainda assim, a tecnologia não está envolvida somente no âmbito político, mas empresas ao redor do país têm adotado a sua implementação. Como é o caso da concessionária de uma das linhas do Metrô de São Paulo, que instalou câmeras de vídeo vigilância para melhoria da gestão de segurança.

A marca Hering também é uma das que utilizam as tecnologias de reconhecimento facial em uma loja da capital paulista. O intuito é examinar as atitudes dos consumidores e por meio disso, considerar novas estratégias de marketing.

Outro caso recém divulgado foi em Maringá, que ainda neste mês de maio divulgou que fará testes com câmeras de reconhecimento facial. A ação inicia-se com a parceria de três empresas, e a previsão é de que 70 câmeras sejam instaladas após a fase de testes. O objetivo, neste caso, é garantir a boa leitura de placas de veículos. 

Como as práticas tecnológicas de reconhecimento facial funcionam

Primeiramente, o reconhecimento facial é nada mais, nada menos que a coleta da imagem de um indivíduo. Um filtro, que nomeia a tecnologia, verifica se o elemento em questão é uma face ou não. Ao longo disso, é realizada uma “normalização”, na qual pessoas são classificadas em padrões, segundo fontes da Agência Brasil.

Com base nisso, traços, características e pequenos detalhes são transformados em pontos de referências, que passam basicamente por uma ampla análise. O conjunto de informações, então, serve para a identificação associado a determinada pessoa.

Afinal, você já viu um celular que desbloqueia por meio da face? É justamente um serviço de autenticação a partir de um registro de imagem dentro de um banco de dados, que libera a informação e com isso a utilização do aparelho.

Como tem sido aplicado as tecnologias de reconhecimento facial mundo afora

Em um pulo do outro lado do planeta, a China é exemplo de sinônimo de abundância quando o assunto é sistemas de reconhecimento facial. Lá a tecnologia é utilizada como ajuda para capturar todo tipo de criminoso, sejam estes bandidos a qualquer indivíduo que cometa delitos leves, como atravessar a rua fora da faixa de pedestres.

Não obstante, a Califórnia também atua em situações específicas quanto ao uso do domínio. O caso é inclusive de grande repercussão midiática por consequência do Spotlight, uma ferramenta desenvolvida com base na tecnologia de reconhecimento facial da Amazon.

O aplicativo já foi de grande ajuda da polícia na busca por crianças desaparecidas e menores vítimas de tráfico sexual. A tecnologia usa algoritmos de processamento de texto e imagem para combinar rostos e demais evidências que, dessa maneira, possibilita em instantes o combate à exploração e o tráfico sexual infantil.

Atualmente, o Spotlight é utilizado em quase 40 mil casos nos Estados Unidos, segundo o Olhar Digital.

Conclusão

Ainda há muita especulação, discussões e novas aplicações em conceito dessa tecnologia na área de segurança. A ação tem por medida alcançar diversos outros setores dentro e fora do mercado de segurança, como em finanças, saúde e na educação, por exemplo.

Celulares atualmente já possibilitam o reconhecimento facial para desbloqueio e autorização de transações, bem como bancos, policiais e agentes do governo. No entanto, especialistas retomam sempre para que haja cuidado e cautela para que esses tipos de dados não caiam em mãos erradas.

Afinal, privacidade e segurança são premissas de um futuro cada vez mais seguro para uma sociedade.

Acompanhe diariamente a News ISC Brasil para continuar acompanhando as notícias do setor e as novidades sobre o principal evento de segurança da América Latina, a ISC Brasil.


Artigo escrito por Equipe ISC Brasil | Ver todos os artigos de Equipe ISC Brasil